Julius Stranger: o dono do mundo (parte 1)

Julius Stranger era o homem mais rico do universo conhecido.
Ainda que viesse de uma família pouco abastada, nunca lhe faltara nada e pode estudar nas melhores escolas, parte por seu próprio intelecto avançado, parte pelo esforço de seu pai, John Stranger, que trocava trabalho por estudo e materiais.

Ainda no ensino médio, Julius se destacava frente aos colegas e o resultado foi que não terminou nem o primeiro ano e foi alçado ao MIT com bolsa integral e salário para pesquisa.

Na universidade, a vida de Julius parecia um conto de fadas, podia se concentrar 100% do tempo nos estudos, tirava boas notas e não tinha nenhuma preocupação com contas, até que conheceu Karen.

Karen era o extremo oposto de Julius, ainda que também fosse razoavelmente inteligente, não tinha como estudar naquela Universidade, porém, vinha de uma família que se formava há gerações no MIT e eram doadores contumazes, com esse “currículo” acabou sendo aceita.

Naquele dia, o mundo de Julius, e de todos os seres humanos, mudou para sempre.

Como um incêndio que arrasa florestas, o olhos de Julius brilharam quando viu Karen pela primeira vez, era uma aula qualquer de física quântica, dessas que ele já decorara ainda na sexta-série, mas Karen não, ele nunca vira igual beleza. Seus pensamentos foram imediatamente tomados pela beleza de Karen que, percebendo os fulminantes olhares, se divertiu com aquilo e mandou um

– “olá”.

Fora o “olá” mais arrasador que Julius tinha ouvido na vida.

Alguém que estuda tanto, que não fez sequer o segundo grau, não tinha tempo de namorar, e era isso, Julius nunca namorara, era, portanto, totalmente inocente na arte da conquista, ao contrário de Karen, que emendava relacionamento em relacionamento.

A partir daquele dia, os números, as invenções perderam espaço na cabeça de Julius que só tinha pensamentos para Karen. Ela, que havia gostado do jeito tímido e interiorano do rapaz lhe convidara para sair, um bar, uma bebida, uma passada no dormitório e pronto. Estava consumado. Julius não iria nunca mais esquecer daquela noite.

Mas a vida, caros e desavisados leitores não é algo escrito em manuais e suas surpresas são o âmbar principal da existência, assim, na manhã seguinte, atrasada para a aula de geometria aplicada, Karen deixou Julius na cama e correu atrasada.

Uma rua.
Um carro.
Uma distração.
O fim.
Karen estava morta.

O mundo não sabia, mas naquele momento, seu destino estava selado, e um homem cheio de dor e sofrimento seria o seu dono. Os acontecimentos daquele dia ditariam a humanidade e seu triste destino.

Continua….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *