Julius Stranger: o dono do mundo – Temporada Final – Ep3

Já havia 30 dias que chovia dinheiro.
Um dólar, agora, sem valor. Governos por todo o mundo organizaram equipes que divididas juntavam e queimavam a grana como podiam. Movimentos ecológicos até tentaram protestar no começo, afinal a fumaça das fogueiras, as cinzas tomavam as cidades, mas, na falta de ideia melhor, ou capacidade em reciclar tudo aquilo desistiram.

Július já não parecia um ser humano, tomado pelo horror do fizera, virava noites tentando acabar com tudo aquilo. Não tinha coragem de tentar mandar outra mensagem. Pensou em mandar um simples “pare” ou “não faça!”, mas a variável de consequência era tão absurda que desistiu.

Tentava revirar o passado em busca do momento exato em que tudo deu errado, mas, sem saber para onde olhar, estava perdido. Era tempo demais para ver. Estava, talvez pela primeira vez, perdido. Conforme prometera depois de sua “quase prisão”, manteve contato com o Presidente, mas mentiu, disse não saber o que estava acontecendo.

Afinal, ele mesmo fez aquilo?
Não conseguia entender como.
Parecia um pesadelo do qual não conseguia sair.
Continuaria a trabalhar, interrogando. Já até pensava em inventar uma máquina do tempo, chegou a tentar em um daqueles momentos em que se está tão cansado que o desespero domina as ações, mas, desistiu, ou caiu de cansaço, não lembra.

_______________________________________

Depois do sumiço de Cameron, a vida de Linda virou de cabeça para baixo. Via-se cercada por fantasmas, e não, não é figura de linguagem, ela literalmente ouvia sussurros de Cameron. Talvez fosse a menta aturdida, talvez fosse o arrependimento.

O fato, porém é que estava presa, sem perspectiva de uma sentença ou direito a defesa. O projeto era secreto, ela sabia disso quando entrou, então, oficialmente, nunca existiu. Se nunca existiu, como ela poderia ser condenada ou inocentada de algo? O governo pensava diferente. Então, até sabe Deus quando, ela estava condenada, talvez para sempre.

O sussurro em sua cabeça só dizia:
– Quero voltar. nada mais.
– Quero voltar.

Linda sempre foi inteligente e sabia que as pessoas não desapareciam simplesmente, Há motivos, há pistas pelo caminho, um caminho a ser seguido, mas esse não era o caso. Ela teria desafiado as leis da própria física. Sabia que as luzes vistas no final eram reminiscências da quarta-dimensão, era exatamente o que ela esperava que acontecesse, de certo modo, o experimento foi um sucesso, mas o desaparecimento de Cameron não fazia sentido. A física impedia o transporte de massa entre dimensões, estava completamente perdida.

Passos.
Passos mais próximos.
A porta se abre. Samus entra.

– Dra. Harrison?
– Se veio até aqui sabe que sou eu.
– Quero falar com você sobre o Book Back
– Já falei tudo que sabia para os abutres, não tenho mais nada.
– Li seu depoimento e algo faltou.
– O que é, mas seja rápido, tenho salão às 4.
– Você disse aos investigadores que esperava que aparições de outra dimensão fossem visíveis naquele momento, e que por isso não ficou impressionada com as luzes, isso está correto?
– Sim, sem novidades.
– Mas, de onde vieram as luzes, a ideia era criá-las ou reproduzi-las?
– Ora, virei Deus agora? Nem uma coisa, nem outra, o objetivo era espelhar.
– Não entendi.
– Quem é você mesmo?
– Samus Davidson, Engenheiro Senior da Nasa e sua melhor chance de sair daqui.

“Sair daqui?” Linda pensou. Será que haveria então uma chance. Eles deviam estar muito ferrados para procurá-la. Talvez fosse uma boa ideia colaborar, mas não muito.

– Em um microscópio, o que vemos? Coisas que sempre estiveram ali mas nosso olho não alcança, não criamos nada, simplesmente passamos a ver. Com meu experimento é o mesmo. As luzes que o senhor se refere estão aqui nesse momento e em todos os lugares, assim como milhares de outras coisas que não tive oportunidade de ver, mas estão lá, só é preciso a energia certa, o modo certo para fazê-los aparecer.
– Entendo. Seria possível massa passar entre dimensões?
– Sempre teorizei que não, mas como sabemos, ou Cameron junto com cada célula do corpo e do uniforme que vestia foi evaporado por uma força que desconhecemos, ou ele está nesse momento em outra dimensão, que aliás, de vez em quando, consigo ouvi-lo, mas nesse ponto, pode ser minha imaginação, posso estar ficando louca.

Samus analisa Linda. Pode ser a genialidade em pessoa. Pode estar realmente louca, mas o fato é que ele não pode discutir em pé de igualdade com ela, não faz ideia de como ela fez o que fez.

– A senhora tem interesse de sair dessa cela e voltar para o trabalho?
– É tudo o que mais quero. Mas, qual é o caso, posso saber?
– Saberá tudo em breve, vou providenciar sua saída.

A porta se fechou, Samus saiu e Linda ficou sozinha com seus pensamentos. O que poderia estar acontecendo a ponto “Deles” recorrerem a ela. Sabia que era esperta, mas comandava um projeto menor, algo que os grandões não entendiam e não davam valor e agora, isso.

Mais tarde naquele dia, ela andava pelos corredores e olhares julgadores dos demais. Podia quase ouvir os pensamentos:

– Assassina!

Não se importava, nunca se importou, sempre enfrentou barreiras para chegar até ali, homens fizeram muito mais do que ela e eram reconhecidos por muito menos, direita, esquerda, reto. Queria correr, ver a luz do dia, mas não estava nem livre nem solta. Era uma prisioneira, livre, optou por pensar assim.

Uma porta se abre, lá estava Samus e uma figura ao seu lado, não acreditou, era o Presidente.

– Senhora Harrison, muito prazer.

Ficou muda. Eles deviam estar muito ferradas.

– A senhora já foi atualizada dos acontecimentos?
– Não, senhor.

O presidente olha com reprovação para Samus.

– Vou ser direto. Está chovendo dinheiro e nós precisamos que isso pare.

Linda olhou com um misto de interrogação, humor, descrença.

– Desculpe, senhor Presidente, o senhor disse que está chovendo dinheiro?

Samus toma a palavra.

– Faz mais de 30 dias que começou a chover notas de um dólar incessantemente. Elas “nascem”, nem sei ao menos que termo usar, a 10 mil pés e caem como chuva. Fora isso, nada mudou, o clima é o mesmo, a chuva normal segue acontecendo.
– Entendo, por isso estou aqui, o senhor acredita que isso venha de outra dimensão.
– Está aqui por que não sabemos que caminho seguir, então, vamos seguir todos, e o seu, é um deles.

O Presidente volta a falar

– Senhora Harrison, se conseguir nos ajudar com isso, terá o perdão presidencial e uma carreira brilhante pela frente, será conhecida por seus feitos. e não por seus erros. Agora, preciso ir, boa sorte.
– Posso sair?
– Da cela, sim, das instalações, não.
– Que lugar é esse.
– É o lugar que deve ficar.

O Presidente vira as costas e sai pela porta lateral seguido por seu secretário e por um de seus seguranças.

– Então, Dra. O que precisa para começar a trabalhar.
– Da minha sala.
– Isso é impossível no momento, mas posso fazer a sua sala vir até você ainda hoje.
– Ok, ok. Onde vou trabalhar?
– Aqui. Terá todos os recursos que necessitar.
– Vou deixar que se atualize enquanto suas coisas chegam. Na pasta “123”, me perdoe a simplicidade, vai encontrar todas as pesquisas que fizemos até hoje. Todas as nossas tentativas, enfim, verá onde fracassamos para não perder tempo.
– Ok, ok.

Samus sai, a porta se fecha e linda fica um minuto incrédula.
– Chovendo dinheiro?

Parecia um filme de baixo orçamento ruim, mas estava de fato acontecendo.
Teria ela causado essa brecha? Aliás, era uma brecha?
Linda percorre as redes sociais e principais canais de notícias. Sentia falta disso, se ouvir o presidente falar sobre falta de dinheiro era estranho, ver a cena era ainda mais… A porta se abre, a primeira caixa de seu antigo escritório chega. Era hora de trabalhar.

 

Primeira Temporada:
Capítulo 1
Capítulo 2

Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6

Segunda Temporada:
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4

Temporada Final:
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3


O museu do amanhã

Fazia frio na Ilha de Manhattan. Era uma manhã qualquer do inverno em uma área abandonada desde a grande bomba. Não havia qualquer indício de vida, mas todos sabiam que o simples fato de estar ali era motivo de prisão sem direito a fiança.

Jane adorava aquele local, lembrava de um tempo em que a cidade era viva, que havia esperança até o dia que a bomba caiu e destruiu tudo. O engraçado é que o “destruiu” tudo é metafórico, a única coisa de fato destruída era a unidade de enriquecimento de urânio escondida, sob o olhar de todos no centro de NY.

Alguém errou alguma coisa, Jane tinha certeza disso, mas o governo afirmava que era uma agressão Russa. Nunca se saberia a verdade, mas a guerra era inevitável, aconteceu, destruiu todo o pais, menos a Ilha de Manhattan, que apesar de estar com os prédios intactos, não poderia ser habitada, afinal a radiação era muito grande.

Há 42 anos a grande bomba tinha caído, Jane, agora com exatos 42 anos pensou que não havia muito a perder estando ali. A vida era péssima, a mãe havia morrido durante seu parto, Jane era orfã, e ser orfã em condições normais já era difícil, naquela, era uma provação. Em dia de março, Jane perambulava pelas ruas, sem rumo, como todos os dias, aliás, e viu atrás de uma grande mata um cano, entrou, não tinha o que perder.

Na outra ponta, uma cerca arrombada denunciando a presença de outras pessoas e uma cidade inteira, sem marcas de explosão, sem corpos pelo chão, apenas “deixados”, prédios, apartamentos, casas, tudo intacto, era um verdadeiro parque de diversões para Jane. Ela sabia, havia radiação ali, se alguém a visse no local, ela seria banida para sempre.

No começo, apenas curiosidade. Encontrou uma Wallgreens com produtos, vencidos, mas que ela nunca tinha visto antes. Comeu, não passou mal. Talvez uma dor de barriga, mas nada além, aquilo trouxe confiança. Iguais aquele local, uma infinidade, de outras marcas também. Se perguntava quanto tempo mais iria ficar viva, afinal, todos sabiam, pisou em Manhattan, morto está.

Um ano se passou e Jane começou a pensar que talvez não morresse, que talvez o governo estivesse mentindo sobre o local. Não sabia, mas tudo aquilo era bom demais para ser só dela. Mas era. Seu local preferido era a biblioteca, lá havia histórias e conhecimento ilimitado ela aprendia e se perguntava: por quê?

Um dia, olhando nas gavetas abandonadas, encontrou um diário, nem conhecia o termo, mas sabia que ali estava um relato do dia a dia. A vida de uma pessoa que vivia aquela época, lia aquelas páginas com afínco, desde que encontrara seu paraíso sua leitura havia melhorado e muito, então, conseguia ler perto de um livro por semana, sem dificuldade, rápido, de repente a velocidade diminuiu e ela ficou presa em uma frase:

“Human Off Project”

Continua…

Julius Stranger: o dono do mundo – 2t Ep3

O mundo não é coisa fácil de ser moldada, é preciso levar tantas variantes em conta, que as próprias variantes mudam no caminho fazendo com que não haja contas certas.

Um dia, quando Julius era apenas um menino de 8 anos pediu ao seu pai uma bicicleta de presente, era algo meio antiquado até mesmo para o seu tempo, portanto, era caro, o pai lhe prometera, mas,  com uma condição:

– Manter o quarto arrumado, e o quintal limpo.

Durante 5 meses tudo foi com o pensado, Julius tinha cuidado, algumas vezes, até mesmo evitava brincar para não bagunçar nada, porém James, seu primo não tinha nenhum compromisso firmado, transformou o quarto numa filial do inferno, seu pai viu, nada falou, mas no momento oportuno, cobrou o preço. Julius não ganhou a bicicleta, o primo negou ser o responsável pela bagunça, então, aprendeu uma lição:

Não confie em ninguém.

O tempo passara, já se passavam 8 meses do caos e da prisão de Julius e sua cabeça, agora motivada pela mudança se perguntava o que seria do futuro. Não poderia, nem queria, viver para sempre. Fracassara em inventar uma máquina do tempo para dizer a si mesmo que não fizesse nada disso, também havia a questão inexplorada no reflexo temporal transverso. Um termo que ele mesmo inventou para exemplificar coisas que poderiam mudar pelo simples fato de serem tentadas.

Podia morrer. Tic Tac. O tempo voa.

Julius, sabia exatamente quando morreria, isso se nada mudasse, ou melhor, se ele não mudasse nada. Então, estava razoavelmente confortável com os 18 anos que lhe restavam. Nunca teve coragem de ver o que lhe acometeria, somente sabia da data por aproximação, por não encontrar mais a si mesmo em uma faixa de tempo.

Ainda que arriscasse diminuir esses 18 anos, Julius precisa descobrir o que fazer com o poder que tinha nas mãos.

Não poderia deixar uma inteligência artificial no comando, já tinha visto esse futuro e ele não era nada bom para a humanidade que basicamente viraria escrava de si mesmo. Lembrava também dos livros de Asimov e tinha medo. Ainda pior que essa possibilidade, era entregar o “poder” a algum governo, já tinha visto esse futuro também simulando diversos governos no poder, todos se corrompiam ou cometiam erros tolos que os faziam perder o poder.

Precisava pensar, Tic Tac. O tempo voa.

O carro voava sobre nuvens, e de repente uma chuva de post its caia sem parar, neles, apenas uma pergunta:
Por que não me avisou? Tentava responder, mas já não estava no carro, agora lia um antigo jornal com um recado de alguém procurando alguém, ficava exasperado, o grito não saía.

Acordou.

Tinha a resposta para a sua questão.
Viajar no tempo já sabia, não era possível.
Mas, e se o reflexo temporal transverso pudesse viajar. Não ele. Mas um pensamento, não uma pessoa, mas uma mensagem?

A questão era arriscada, afinal, poderia tentar mandar uma mensagem para o futuro e ok, isso não traria consequências já que poderia mudar uma coisa aqui e outra ali e “arrumar” a questão, mas, caso tivesse sucesso, o que seria do futuro? E se a mensagem chegasse errada? O que isso significaria. Precisava testar a hipótese, poderia ser uma saída.

Sentiu-se naquele momento o Frodo em seu momento de glória. Conseguiria abrir mão do anel?

Continua…

Primeira Temporada:
Capítulo 1
Capítulo 2

Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6

Segunda Temporada:
Capítulo 1
Capítulo 2

Julius Stranger: o dono do mundo – 2t Ep1

Julia, uma carioca da Baixada Fluminense tentou falar com o filho pelo telefone e não conseguiu, o telefone parecia mudo. Tentou uma mensagem de texto, mesmo resultado, apelou para a internet, nada! Estava sem comunicação.

Matteo era o responsável pelo sistema de sinais de trânsito de Berna, na Suiça, sua manhã estava um inferno como há muito não vivia, os sistemas simplesmente pararam, era necessário o envio de guardas de trânsito para organizar a cidade, mas não havia tanta gente assim disponível, com a baixíssima criminalidade e a confiabilidade do sistema eletrônico, nunca fora preciso. O caos estava instalado.

Ainda que considerasse Julius um criminoso, os equipamentos disponibilizados por ele eram bons demais para serem ignorados, e a NASA era uma das muitas agências do governo que dependiam deles, mas, naquela manhã, eles não funcionaram, anos de pesquisa estavam simplesmente inacessíveis.

Assim o mundo todo parou por absoluto. Até mesmo China e Coréia do Norte que haviam propagandeado que não utilizariam sistemas de um “criminoso” estavam paradas mostrando assim sua mentira e hipocrisia.

Nada funcionava e as consequências foram imediatas. Como nos bons anos do início do século XXI o povo foi às ruas protestar contra a situação. Protestavam contra Julius, contra os governos e as instituições. Queriam de volta as facilidades a que estavam acostumados. Lojas eram depredadas, violência sem aparato policial para conter a fúria imprudente dos manifestantes.

Feridos começam a chegar nos hospitais, mas não há médicos, não há equipamentos funcionando, não enfermeiros, apenas uma estrutura física lembrando as pessoas de quando ainda ficavam doentes e não havia cura ou esperança. O mundo estava pronto para sucumbir, em apenas uma manhã retornou ao século XXIII, mas dessa vez com requintes de crueldade: ninguém sabia como fazer nada, como haviam se acomodado, não tinham conhecimento para qualquer coisa. Não sabiam sequer fazer uma fogueira para preparar um alimento, os fogões elétricos não funcionavam, a própria luz os abandonou.

A ONU ou a OTAN procuravam Julius desesperadamente, incentivaram os países a retirarem quaisquer tipos de sanções ao homem, ele deveria deixar de ser alguém procurado, as coisas estavam piorando rapidamente, a maioria deles aceitou a sugestão e fizeram convites públicos para que Stranger fosse até seu território, até mesmo os Estados Unidos que, em um jogo de cena, omitiu de seus parceiros que havia prendido Julius, que o tinha sob custódia e que pretendia segurá-lo quanto tempo fosse possível. Oficialmente ele seguia desaparecido, era agora alguém preso fora dos registros.

As acusações contra Stranger variavam de quem perguntasse, passava por roubo, participação em organizações terroristas, crime contra o sistema financeiro, enfim… ele praticamente zerava o sistema criminal dos Estados Unidos. Em seu primeiro depoimento, abriu mão de advogados e apenas repetia a pergunta:

– Que mal eu fiz?

A pergunta trouxe estranheza, pois ela também parecia uma interjeição.

A maioria dos investigadores ali presentes morava em uma das casas de Julius, utilizava o celular e a rede de internet de Julius e tinham uma certeza, aquele homem na frente deles parecia apenas mais um homem, não o maior de todos, não o dono do mundo.

A porta se abriu de repente se abriu e o próprio presidente dos Estados Unidos, junto a seus generais mais próximos, entrou na sala de depoimento. Sem rodeios o presidente exigiu:

– Traga de volta os serviços! Agora! Já!

Julius olhou para ele e novamente indagou:

– Que mal eu fiz!?

Continua…

——————————————————-

Primeira Temporada:
Capítulo 1
Capítulo 2

Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6

Julius Stranger: o dono do mundo – parte 6

Já não havia como declarar Julius uma pessoa fugitiva, oficialmente ainda era, mas o apoio popular era gigantesco e dificultava qualquer tipo de retaliação. A população, ainda que nunca tivesse visto uma só foto de Julius, o amava. Graças a ele, a maioria dos seres humanos contava com algum serviço das empresas de Julius e por eles pagavam preços modestos, quando pagavam.

Stranger ganhava prêmios, Nobel na Noruega e era “terrorista” na China e na Coreia do Norte, era fugitivo nos Estados Unidos.

Já tinha 10 anos desde a reunião da OTAN, e as autoridades se acostumaram com a “ameaça” Julius, contrariando os principais medo das nações não houve nesse período, nenhum ato hostil, de fato, o estranho parecia genuinamente só querer o bem de todos.

Mas se há uma verdade universal de todos os tempos é que a mudança sempre se impõe e a falta dela incomoda.

O inverno estava rigoroso, o frio tomava conta, mas ninguém morria de frio ou fome. A verdade é que, no novo mundo formado por Julius, somente não tinha casa ou apartamento e/ou um emprego quem não queria. Havia em abundância, para todos, e isso, acredite, tornou-se um problema.

Um sentimento de calma, acomodação se instalou na sociedade, tudo era tão barato e de tão boa qualidade que as pessoas simplesmente desistiram. Não buscavam novas descobertas, não tinham ambição de novos cargos ou conhecimento.

Julius previu esse cenário e tentava mudá-lo, mas sem sucesso.

A população parecia não “gostar” da harmonia em que estava inserida, começaram a se fechar em mundos vazios e solitários, o resultado foi o esperado:
o número de suicídios disparou, a maioria das igrejas fechou suas portas, já não fazia muita diferença se você era Cristão, Judeu ou Muçulmano, pouquíssimas pessoas buscavam Deus.

As escolas estavam vazias, não havia nem professores, nem alunos.

Em todo mundo, começaram a surgir regimes totalitários, mas de um modo diferente, como não havia protestos, os ditadores se impunham sem armas, simplesmente ninguém se importava, os usurpadores de cargo se apoiavam em poucas pessoas extremistas que queriam acabar com aquele estados das coisas.

Esses cenários também foram antecipados por Strange que se viu em uma sinuca de bico.

Se por um lado, conseguiu entregar a população um mundo muito melhor, o povo, essa entidade sem gênero, não sabia conviver com isso. Os poucos palcos religiosos que restavam acusavam Strange de manter um pacto com o demônio, instigavam seus fiéis a se abster dos produtos ou das facilidades entregues por Julius, algo quase impossível. Parecia que uma nova cruzada.

Não demorou, Julius entrou em uma depressão profunda.

Assim como a maioria das pessoas, não tinha mais ambições, era vítima da própria criação.
Não se manteve atento, ficava dias embebido nas lembranças de Karen amando e odiando aquele momento, repassava cada momento, cada olhar, cada toque, e como se quisesse finalmente ser pego, Julius cometeu uma série de erros, e então, numa tarde nublada de outubro, foi, finalmente surpreendido por uma força de governo.

Era domingo, estava no Texas nos Estados Unidos, em um rancho simples, fora finalmente preso.

Teria muito o que explicar. Não sairia dessa tão facilmente, ele sabia, porém, não se importava, estava farto. Era o fim…

Continua.

Capítulo 1
Capítulo 2

Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5

Julius Stranger: o dono do mundo – parte 5

Já havia se passado 5 anos desde aquele depoimento, Julius já não era uma pessoa “encontrável”. Governos de todo o mundo já o tinham no radar, mas, como um passe de mágica ele sumira. Era como se estivesse sempre um passo a frente dos demais. Algumas vezes “quase” o pegavam, porém, o “quase” se perpetuava.

Suas contas bancárias eram esvaziadas dias antes de serem bloqueadas por governo, suas posses eram abandonadas pouco antes da chegada das autoridades.

Não havia como “pegar” Julius.

Seus pais garantiam manter contato com o filho que garantia não fazer nada de errado, portanto, não havia razão para se submeter novamente a qualquer depoimento.

Já era quase dezembro, pouco antes do dia de Ação de Graças, os agentes do governo faziam campana 24×7 na casa dos Stranger, os telefones, emails, chamadas, tudo era monitorado com a mais alta tecnologia disponível, mas Julius não aparecia. Era um fantasma. Aquilo não poderia continuar daquela maneira, e, pela primeira vez na história da OTAN, houve uma reunião fechada entre os líderes das maiores nações do mundo, não havia intérpretes, a tecnologia dava conta.

O tema era apenas um: Julius Stranger. Ele afetava a vida de todos os países envolvidos, comandava a riqueza quase total de alguns países. Comandava a tecnologia, os instrumentos de defesa, era dono de indústrias bélicas e farmacêuticas, a bem da verdade, com apenas uma simples vontade de Julius, nações inteiras entrariam em colapso. Naquela sala, as maiores nações do mundo eram reféns da boa vontade de apenas um homem.

Após intensas deliberações, chegou-se a conclusão que o perigo real era Julius, ainda que não fosse eleito, contava com a admiração popular já que suas empresas ofereciam os melhores serviços por preços irrisórios. Defendia publicamente, ainda que sua própria imagem não fosse conhecida, questões ambientais, distribuição de riqueza e outros temas pouco populares entre políticos.

Diziam que ele tinha pacto com o demônio, outros afirmavam se tratar de um ET, falavam sobre influência externa, não importava o país, a forma ou ainda a ideologia, todos afirmavam que Julius era um perigo e precisava ser detido. Virou o inimigo público número 1. Precisava ser parado, agora.

Como primeiro ato, declararam-no fugitivo da justiça, para a pouca imprensa que ainda não estava nas mãos de Julius iriam declarar que Julius estava envolvido com grupos terroristas visando destruir o modo de vida da nação, não importava qual seria. Era um extremista a partir daquele momento. Também acordaram que fariam uma série de atentados terroristas e os atribuiriam a Julius em busca de apoio popular, por fim, iriam prender os pais fazendo com que Julius aparecesse, aquele casal era a única coisa com a qual aquele desconhecido tido como gênio se importava.

Nos meses seguintes, todos os planos dos governos falharam, um a um, parecia um jogo de xadrez que não poderiam vencer, Julius parecia uma espécie de Deus que conhecia tudo, antecipava tudo, tinha respostas para perguntas que ainda nem haviam sido feitas.

Como combater um deus que não aparecia, que não mostrava o rosto, que não buscava reconhecimento, simplesmente Julius era um perigo por não ter um objetivo único. Não formava amigos, mas, a exceção dos líderes, também não fazia inimigos.

A partir das empresas de Julius, a conexão com o mundo virtual alcançou 100% dos interessados a partir de aparelhos doados e mensalidades que giravam entre 1 e 10 dólares. Havia a construção de casas com infraestrutura dos bairros mais abastados com preços abaixo dos menores apartamentos e parcelamentos que impossibilitava até mesmo a inadimplência. As mais de 100 companhias aéreas de Julius ofereciam a tecnologia do voo supersônico a partir de combustíveis movido a luz do sol e hidrogênio. Os voos eram baratos, estavam sempre lotados e a difusão das pessoas entre diferentes culturas ajudou na tolerância.

O meio ambiente se recuperava, a xenofobia praticamente não existia mais, o racismo se tornou uma palavra arcaica que, às vezes, precisava de dicionário para ser entendida, o mundo nunca estivera melhor, as pessoas nunca viveram tanto e com tanta qualidade e, ainda assim, jamais esteve tão perto do seu fim, já se passara 10 anos do “reinado” de Julius.

Julius, precisava ser detido, mas como?

Continua…

Capítulo 1
Capítulo 2

Capítulo 3
Capítulo 4

Julius Stranger: o dono do mundo – parte 3

O natal se aproximava rapidamente, daquela data Julius não poderia escapar de modo algum.
Teria que ir para a casa dos seus pais. Já sofria por aquilo, não que não os amasse, amava, mas o trabalho tinha entrado em um estágio que envolvia excitação e alguns resultados bastante promissores, mas, e na vida sempre há um “mas” ela ainda não compreendia como comprimir tempo como uma fita, e isso era crucial.

Seu pai puxou a oração na hora da ceia, religiosa, sua família nunca deixara passar um natal sem reunir todos, o jantar e os presentes eram uma tradição, como em tantos lares, e aquela ceia jamais seria esquecida.

O Pai de Julius, John, contava histórias de sua infância e adolescência e nesta ceia contou como gostava dos finais de ano em que os vaga-lumes apareciam em profusão, como ele e seus amigos aprisionavam os insetos em vidros e a luz permanecia por muito tempo sendo admirado por todos.

Se fosse um desenho animado, uma lâmpada teria aparecido na cabeça de Julius:
– Era isso!

Claro. Era tão simples que era incrível alguém ainda não ter pensado nisso.
Julius se despediu dos pais e do restante da família e voltou ao trabalho na sua casa, já sabia como dominar o tempo.

Basicamente Julius entendeu que o mundo, o universo, enfim, tudo que existe, é um conjunto de prótons, neutrons e elétrons dispostos de diferentes formas e combinações que assim, formavam diferentes corpos. Mas, a simples existência desses elementos já deixava em si um “marca” no universo. Algo invisível, algo intangível, mas que estava lá.

Julius entendeu que para dominar o tempo teria que traduzir essas impressões temporais  em algo que pudesse ser visto pelo ser humano, não demorou muito. Depois de 90 dias, nem mais, nem menos, o mundo mudou.

A frequência traduzida a partir de fórmula matemática de David Hielbert, nada mais fazia do que transformar frequências zeta em uma espécie de sinal de tv aberta.

No dia 25 de Março, às 16h43, Julius conseguiu a sua primeira imagem.
Um casal que ele nunca tinha visto na vida, falando uma língua totalmente desconhecida por ele, discutia algum assunto aleatório.
A mulher vestia um vestido, mas não muito volumoso, branco com rendas e babados, já o homem, um colete preto com uma camisa branca semi-aberta, mangas enroladas e chapéu preto, parecia uma cena de filme antigo, parecia uma casa humilde.

Ele não sabia quem era, aonde era, mas sabia quando era.

A cena que aparecia naquela espécie de tv mostrava um calendário e o ano era visível: 1911.

Continua…

Capítulo 1
Capítulo 2

Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5

Julius Stranger: o dono do mundo – parte 2

O que é afinal de contas um dia?
Apenas a soma de horas e minutos para recomeçar em seguida?
Uma fase da vida?
Uma jornada?

Julius não tinha resposta para esse dilema que lhe acertara com força, afinal os dias perderam o valor para ele.
Já se iam 30 dias desde que Karen, a moça que mal conhecia, mas que amava com todas as forças do seu coração partira para não voltar.

Se ao menos ele pudesse viver mais um dia com ela.
Ouvir suas histórias, descobrir o que afinal de contas fez com que ela lhe desse atenção…
Mas não, ela se fora para sempre.

Minutos, dias, horas, tudo empilhado formavam uma conexão entre si, e isso, afinal de contas, era invenção? Era física? Era matemática?
O que era o tempo?
E se… E se houvesse um modo de domar o tempo? Fazer com que andasse para frente ou para trás?
Uma máquina do tempo? Não. As variáveis são tão subjetivas que apenas a tentativa já geraria muito risco para a vida.

Mas, o tempo tem necessariamente relação com o que chamamos dias, horas?

Depois de 30 dias, Julius retornou às aulas no MIT com uma convicção:
iria domar o tempo.

Afinal, quem “isso” pensa que é para determinar quando possamos ou não viver algo?
Falou com seus orientadores e pediu tempo para pesquisar, foi concedido, afinal, aquela mente não aprendera nada novo desde o primeiro ano.

O tempo.
Domar o tempo.

O tempo, aquele que deveria ser domado passou, Julius não saia de casa para nada.
Sua mãe e seu pai o visitavam vez ou outra para ver como ele estava.

Não entendiam como um romance de algumas horas poderia ter causado aquele efeito em Julius.
Tia Selma, tinha certeza de que se tratava de feitiço, era preciso quebrar.
Julius se divertia com aquilo e garantia que estava tudo bem.

Karen, era a inspiração, é verdade, mas o trabalho já tomara o coração de Julius e virou obsessão.
Era 13 de dezembro, seu amigo, na verdade, tinham se visto algumas vezes na Universidade, o convidara para o aniversário, mas ele não queria sair. Estava frio, a neve tomava as ruas e se acumulava…

Então, como alguém que lembra de comprar leite no final do dia, Julius teve a epifania.

Sim, ele iria conseguir domar o tempo.

Continua…

Capítulo 1
Capítulo 2

Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5