«

»

abr 08

Imprimir Post

O respeito não é mercadoria de troca

angry-boss-malware-rage-bug-threat-pornHá um velho ditado que sempre nos ensinaram: Respeito é Mercadoria de troca. Pois, bem, se ainda não te alertaram disso, afirmo, ele é mentiroso. Sim, respeito jamais deveria ser mercadoria de troca, respeito, aliás, nem mercadoria é, não passa de um donativo, é de grátis, você dá sem esperar receber nada em troca, ou, até espera, mas se não receber, não pode trocar por desrespeito, o teu respeito continua muito grátis.

Há uma dificuldade de compreensão deste tema nas corporações, fomos doutrinados, em regra, que o cargo hierárquico e a hierarquia de poder dão poderes supremos para a pessoa que não tem a mesma prerrogativa. O eterno ciclo vicioso: o presidente maltrata o diretor, que maltrata o gerente, que maltrata o coordenador, que maltrata o supervisor, que maltrata o chefe de operações, que maltrata o operário, que maltrata a recepcionista, que maltrata a tia do café, que faz o café ruim para o chefe tomar, que fica de mau humor e tudo começa novamente.

Respeito, meus amigos, não é nunca deveria ser condicionante, respeito é um aspecto normal da vida das pessoas bem educadas e acima de tudo inteligentes, afinal, um time desrespeitado não pode gerar resultados consistentes a longo prazo, é matemático, mesmo que você seja do pessoal de humanas irá entender isso. Na relação com o poder o mesmo acontece, ou melhor, não deveria acontecer. As pessoas se utilizam de posições temporárias, o famoso “estão” e “são”, para deixar aflorar a verdade de sua natureza.

Important!

Dê poder a uma pessoa e saiba do que ela é capaz, deste ditado, não tenho como discordar.

fngryA pessoa que está no poder de decisão, seja na relação político/ população, empresa/fornecedor, consultor/consultado sempre tem duas opções: ser gentil e firme, ser babaca e firme. Os dois geram resultados completamente diferentes. O primeiro, faz com que o que está subjugado na relação de poder entenda quais são as dificuldades que ele vê, determina de maneira firma como resolvê-las e se possível ensina. O segundo, manda, escarnece, se move nas sombras e muda, muda, muda e muda. Nunca é a culpa do agente de poder, é sempre do outro, não importa se este nunca tenha dado problemas com outros, a culpa dele, afinal, eu mando.

Ser respeitoso com as pessoas não requer absolutamente nada de uma pessoa, nada. Você que está presidente, está diretor, está tomador de decisão, não é melhor, nunca foi e também não será melhor que o boy que entrega a sua correspondência, com o menino da TI que resolve o problema do seu computador abaixo de seus gritos e ameaças, mas também não é pior. Vocês apenas tem responsabilidades diferentes, desse jeito, simples como parece.

No livro (muito bom, recomendo), Sobre Fibras e Gente,  o israelense Amos Genish, presidente da GVT (agora VIVO) conta que não conseguia entender o motivo das pessoas que não eram diretores, ou que não tinham cargo de chefia não se manifestarem na reunião, assistentes falando no ouvido de seus chefes, por quê? Por que os chefes brasileiros, em regra, não tem respeito pela opinião de seu subordinado, e se essa opinião for explicitada na frente do chefe do chefe, então… xi, demissão na certa – Quem ele pensa que é?!

Então, se eu humildemente puder lhes dar um conselho este seria: seja respeitoso com todos. Entendo que muitas vezes a pressão do resultado bate e que apesar dos valores da sua empresa afirmarem a máxima do respeito, sempre tem aquele chefe que dá resultado e não está nem aí para o que diz os valores da sua empresa, mas ele dá resultado. É difícil mudar a cultura, controlar a mudança e ainda ter força o suficiente para fazer valer essa mudança, eu sei. Mas garanto, a longo prazo, o seu resultado humano vai compensar todo esse esforço e pontual sacrifício.

Link permanente para este artigo: http://www.blogdoediney.com.br/o-respeito-nao-e-mercadoria-de-troca/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>