Conversas de ônibus…

Andar de ônibus é sempre uma aventura diferente, seja pela maneira com os motoristas conduzem o veículo, seja pela companhia que se encontra ou ainda pelo que se ouve em alguns minutos na lotação urbana.

Na faculdade, tive a graça de receber uma premiação por um texto que fiz sobre telefones sem fio e telefones celulares, no texto eu argumentava que o telefone sem fio trouxe liberdade para as pessoas, ao passo que telefones celulares trouxeram prisão. Hoje, depois de anos de evolução dos telefones celulares vejo que a prisão também deixou os ônibus mais chatos.

Graças as tecnologias com rádio no celular, internet no celular, televisão no celular e até a já ultrapassada mensagem de texto no celular, os papos no ônibus não são mais os mesmos. A maioria das pessoas se esconde “atrás” de seus fones de ouvido, e curtem a si mesmo durante todo o trajeto. Pena, não dividem com ninguém histórias pitorescas.

No ônibus de hoje, ouvi apenas dois casos interessantes: uma senhora ruiva que aparentava uns 50 anos comentava com o motorista que ela não poderia mais pegar o ônibus naquele horário porque o filho arrumara emprego, e a creche só poderia pegar o sobrinho dela  a partir das 07h30, então, como ela tinha um horário mais flexível iria se sacrificar pelo filho. Entre um lamento e outro, comentou como a mãe da criança era uma mulher sem juízo, que viajava muito e pouco via a criança.

Na outra ponta do ônibus um senhor, segurando uma sacola de supermercado recheada de exames, contava a outro senhor, igualmente interessado na história, como era um homem sofredor. Doía suas costas, suas pernas, sua cabeça, tinha um problema de gastrite, não podia andar muito  porque as câimbras já lhe atacavam e agora deu de esquecer das coisas. Será que ele lembrava onde estava indo? Sim, era para outro médico ver os seus exames. Clássico.

Já chegando ao final de minha “viagem” ouvi o começo de uma história, mas me parte o coração contar-lhes que não sei o final. Dava conta de um jovem que devia ter pouco mais de 20 anos falando com sua mãe. Dizia ele que em seu novo trabalho havia uma moça muito bonita que queria porque queria levá-lo a igreja para falar com o pastor, pois, segundo ela, o rapaz estava com o demônio no corpo… sim, não sei o resto da história.

Não fiquem bravos, há muitas outras histórias pitorescas para dividir, e fica uma dica, já que seria audacioso demais chamá-lo de conselho. Deixe seu carro em casa ao menos uma vez por semana e vá de ônibus e veja seu caminho por outro ângulo, garanto que você vai se surpreender.

1 thought on “Conversas de ônibus…

  1. Muito bom texto e a mais pura verdade…

    um abraço,
    tramujas

    ps. voce tem autorizaçao para bisbilhotar as conversas e ainda publicá-las na web? heheeh, brincando um pouco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *