Cooptação

co·op·ta·ção

(latim cooptatio-onis)
substantivo feminino

 Ato de cooptar.

Li, vi, assisti, sei lá em algum lugar que a culpa das constantes brigas que estamos tendo é culpa da elite emergente do Brasil que trocou o ato de jantar pelo ato de “churrasquear”. Ainda que tenha um “quê” de preconceito, a simbologia me parece muito correta.

A ideia é a seguinte: antes os grandes poderosos do país, as pessoas em geral, se reuniam em torno das mesas para jantar e ali aproveitavam para discutir, falar, divergir e convergir, não se levantava da mesa quando o assunto não agradava, simplesmente se ouvia e, em seguida, a opinião contrária era colocada.

Com a troca da janta pelo churrasco, os talheres foram trocados pelas mãos, afinal, pão com carne e maionese não requer uma sofisticação maior que essa. As grandes mesas foram trocadas por pequenos grupos que, em pé, comendo e bebendo, falavam, expunham sua opinião e quando alguém no grupo não gostava do que ouvia, simplesmente trocava de grupo e assim sucessivamente, acabou o confronto.

discussão

discussão | n. f.
substantivo feminino

1. Exame de uma questão em que tomam parte várias pessoas.
2.  Polêmica.
3. Controvérsia.
4. Questão.
5. Desinteligência.

Trocamos um mundo que discute por um mundo que aponta dedos. Discutir não é sobre brigar. Discutir é sobre conversar, ponto de vista. Discutir é sobre ouvir algo que lhe pareça absurdo com a mesma tranquilidade que se ouve algo que se concorda, discutir é não levantar da mesa quando não se concorda com algo, mas sim, aguardar a finalização da sentença e, em seguida, expor a sua visão. No final, A não concorda com B, porque o próprio orgulho não deixa, mas isso não impede que a semente da mudança seja plantada, apenas um “e se …”.

verdade

verdade | n. f.

(latim veritas-atisverdadesinceridaderealidade)

substantivo feminino

1. Conformidade da  ideia com o  objetodo dito com o feitodo discurso com a realidade. ≠ ERROILUSÃOMENTIRA

2. Qualidade do que é verdadeiro. =  EXATIDÃOREALIDADE

3. Coisa certa e verdadeira. ≠ ILUSÃOMENTIRA

“A Verdade saindo do poço” Jean-Léon Gérôme, 1896.

4. [Por extensão]  Manifestação ou expressão do que se pensa ou do que se sente. = AUTENTICIDADEBOA-FÉSINCERIDADE ≠ MENTIRA

“Segundo uma lenda do século XIX, a Verdade e a Mentira se encontram um dia. A Mentira diz à Verdade:” Hoje é um dia maravilhoso “! A Verdade olha para os céus e suspira, pois o dia era realmente lindo. Eles Passaram muito tempo juntos, chegando finalmente ao lado de um poço. A mentira diz à verdade: “A água esta muito boa, vamos tomar um banho juntos!”

A verdade, mais uma vez desconfiada, testa a água e descobre que é realmente está muito gostosa. Eles se despiram e começaram a tomar banho. De repente, a Mentira sai da água, veste as roupas da Verdade e foge.

A Verdade, furiosa, sai do poço e corre para encontrar a Mentira e pegar suas roupas de volta. O mundo, vendo a verdade nua, desvia o olhar, com desprezo e raiva.
A pobre Verdade volta ao poço e desaparece para sempre, escondendo-se nela, sua vergonha. Desde então, a Mentira viaja ao redor do mundo, vestida como a Verdade, satisfazendo as necessidades da sociedade, porque, em todo caso, o Mundo não nutre nenhum desejo de encontrar a Verdade nua”.

A verdade não é sobre ter razão ou não, é sobre fatos. Existe o meu lado, o seu lado e a verdade, implacável.
Cada um de nós tem a sua história e sua luta. Cada um de nós luta com traumas ou experiências pessoais que tornam esse ou aquele fato mais confortável.
Cada um de nós encontra seu porto seguro de maneira diferente, ele está sempre lá. É bom pertencer. É bom encontrar eco para nossas verdades.

O que é absolutamente igual em todos nós é o fato incólume e, muitas vezes inexplicável, de que, não importando como somos, quais são nossas crenças, há pessoas que nos amam, e assim vão continuar em dias fáceis e difíceis. Essas pessoas não nossas inimigas, ainda que falem aquilo que não queremos ouvir, não concordamos ou simplesmente repudiamos.

respeito

respeito | n. m. | n. m. pl.

1ª pess. sing. pres. ind. de respeitar

(latim respectus-us ação de olhar para trás espetáculoatenção)

substantivo masculino

1. Sentimento que nos impede de fazer ou dizer coisas desagradáveis a alguém.

2. Apreçoconsideraçãodeferência.

3. Acatamentoobediênciasubmissão.

4. Medoreceiotemor.

Como respeitar aquilo que nos afronta?
Fácil.
Respeitando.
Ok, não é fácil. Mas é obrigação. Respeitar é se dar ao trabalho de ao menos tentar entender. Respeitar é tentar. Respeitar é colocar numa balança o “quem” junto com o fato. Respeitar é simplesmente fazer aquilo que aprendemos (a maioria de nós):  ouvir quando for hora de ouvir, falar quando for hora de falar. Dois ouvidos e uma boca, lembra?

Não há facilidades em uma vida de sociedade.
Não há tranquilidade na divisão bélica.
Mas, sempre há de haver, empatia.
Ela é chave.
Empatia.
Procure no dicionário.

 

Foco no que você tem de melhor

01-el-socioAqueles que me conhecem sabem que sou um ávido consumidor de tv, assisto absolutamente tudo, de programas extremamente ruins e mal feitos até mesmo superproduções que até podem trazer algum conhecimento para a sua vida. Dentre estes tantos programas, um tem me chamado a atenção: “O Sócio”, programa do History Channel, que conta como o milionário empresário Marcus Lemons vai até empresas em dificuldade e tenta, ao se tornar sócio e investir, reerguer o negócio, mas sabe qual é o principal problema que ele enfrenta? O ego. Sim, o ego.

Os empresários não aceitam que simplesmente não sabem de tudo, tem dificuldade em entender que é preciso se cercar de profissionais competentes em cada uma das áreas para que a partir daí a administração flua normalmente. Mas o ponto aqui é: porque você acha que precisa manter cada detalhe do processo em suas mãos? Por que centralizar soluções é tão atraente para você?

Vou usar um exemplo do próprio programa para ilustrar o que digo. Uma academia está em dificuldades, não consegue crescer. Fruto do ideal de um marido personal trainer e uma esposa que desenvolveu produtos de alimentação para ajudar as pessoas a se alimentarem melhor. O problema desta empresa não era vender pouco, era não saber focar no necessário. O personal exigia que tudo passasse por sua aprovação, embalagens, ingredientes de produtos, canais de venda e a pergunta que o futuro sócio fez: o que você entende destas coisas? Nada. Mas ainda assim o rapaz seguia desvalorizando sua esposa e o trabalho dela interferindo em um processo e assim perdendo dinheiro.

Não vou entrar em mais detalhes sobre o programa em si, mas no ensinamento final dele, foque no que você é bom. Tenha clara quais são as suas limitações e como você pode confiar em pessoas para melhorar você e sua empresa. Antes de fazer uma critica na base do “gosto” ou “não gosto” pense que é possível que de fato você esteja errado. Que as pessoas estejam lhe oferecendo sempre o melhor e confiar nelas pode ser uma boa ideia, afinal, temos talentos diversos e cada um deles deve ser valorizado.

Não conheço pessoas de sucesso que se cercaram de auxiliares piores que eles, eles sempre são iguais ou melhores aos seus chefes e assim mesmo que deve ser. O próprio “sócio” do programa, quando entra em uma questão que entende pouco, chama pessoas que o aconselham a tomar a decisão correta, muitas vezes, ele inclusive desistiu de negócios seguindo conselhos de seus subordinados.

Então, meus nobres leitores, seja o melhor que conseguir na área que você é bom. Foque no seu talento, ele te levou até aqui e ele te levará mais longe, não queira aprovar, opinar, criticar,cutucar algo que não lhe é familiar, você apenas criará dificuldades de relacionamento, nada mais.

Quem quiser saber mais sobre o programa, clique aqui