«

»

jul 03

Imprimir Post

As portas que deixamos abertas

Portas AbertasHoje estamos na posição X na empresa Y com salário Z e com colegas diversos e de diversos setores, nada mais comum, nada mais randômico. Porém, e ah… o que seria do mundo sem estes “poréns”… neste momento esquecemos que tudo se trata de algo passageiro e tratamos o efêmero como eterno e nos sentimos os reis.

Algumas vezes há desrespeito com relação as pessoas que ocupam, naquele momento – enfatizo, posições menores na hierarquia da empresa, há desrespeito com fornecedores tanto em negociação como em coisas básicas como a própria educação.

Mas o que parecia eterno assume sua posição de efêmero e aí vamos ver o que de fato deixamos plantado pelo caminho. Boas sementes com bons contatos que irão reconhecer nosso esforço e competência e portanto nos ajudarão nessa jornada, ou somente plantamos ervas daninhas?

Se o seu caso for o segundo, sempre haverá chance de, a partir de agora, fazer diferente, fazer mais e melhor. O que passou, passou e cabe a você tentar aparar o máximo de arestas possíveis. Uma dica, encontre-se em uma posição consolidada para não parecer que o seu desejo sincero de mudar as coisas e o modo como elas se apresentaram seja apenas aparente e interesseiro.

Mas, o mais importante: queira verdadeiramente aparar as arestas.

Todos já ouvimos que a faxineira que limpa o centro cirúrgico é tão ou mais importante que o médico que salva vidas na sala de cirurgia, mas de fato: quantas vezes você levou isso a sério? Quantas vezes você se colocou na posição que é sua de direito, a de igual?
Todos nós, não importando raça, credo, cor, idade, profissão, posição social ou quaisquer outras classificações você quiser dar, somos feitos a partir da mesma coisa, móleculas que juntas formam essa massa que costumamos chamar de corpo humano, todo o resto é diferença construída pelo homem a partir do que foi submetido e das escolhas que ele fez a partir desta submissão.

Então, antes de destilar toda a sua superioridade frente aos demais lembre-se que assim como a roda gigante, o fato de estar no topo, não garante que você irá por lá permanecer.

Link permanente para este artigo: http://www.blogdoediney.com.br/as-portas-que-deixamos-abertas/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>